(31) 3337-7050
(31) 99955-7171
Áreas de Atuação

Psicoterapia Infantil

PSICOTERAPIA PSICODRAMÁTICA INFANTIL

Psicoterapia%20Infantil.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicações:

Dificuldades de aprendizagem;

Distúrbios de comportamento; agressividade, desobediência;

Insegurança, baixa estima e timidez;

Enurese noturna;

Distúrbios alimentares (anorexia, bulimia, compulsão) concomitantes a tratamento médico;

Ansiedade, angústia, depressão, fobias e compulsões;

Síndrome do Pânico;

Procedimento no caso de crianças:

Marcar a Sessão Inicial pelo telefone de contato, esta sessão será realizada com os pais ou responsáveis pela criança. Nesta sessão serão esclarecidos os motivos da busca de psicoterapia, apresentada a proposta de trabalho e realizado o Contrato de Trabalho, onde consta o valor das sessões, forma de pagamento,  etc.

       Será marcado o dia e horário para o início das sessões com a criança.

Frequência: 1 Sessão de Psicoterapia por semana com a criança;

                          1 Sessão de Orientação por mês, com os pais.

O Psicodrama ajuda as crianças na superação de obstáculos a seu desenvolvimento emocional, através daquilo que lhe é mais característico: a brincadeira e a imaginação. É através de jogos, brincadeiras e histórias que as crianças aprendem a lidar com o mundo, tentando assimilá-lo, entendê-lo e transformá-lo.

A Psicoterapia Psicodramática conta com uma forma específica de brincadeira, o teatro de faz-de-conta. Nas representações dramáticas, através do como se, a criança expressa o que lhe aflige, o que lhe dá prazer ou desprazer, os medos, inseguranças e ansiedades. Revela o sentido que o mundo tem para ela, através de papéis reais e imaginários, que é capaz de reconhecer, imitar e interpretar.

No Psicodrama a criança pode reviver situações por que passou ou testar novas maneiras de reagir e de se comportar em ocasiões diversas, fora do clima de tensão que a vida real apresenta. As dramatizações são, basicamente, um treino na representação de papéis, que facilita a percepção do outro e do mundo a sua volta. Sendo assim, a criança entenderá o outro e conseguirá reagir adequadamente a este, colocando-se no seu papel, considerando suas opiniões e sentimentos.

Paralelamente ao atendimento infantil, é indispensável o atendimento dos pais, pois a problemática da criança reflete, necessariamente, alguma dificuldade no vínculo familiar. Desta forma, os papéis paterno e materno são avaliados com o objetivo, não só de desenvolvê-los, como também de facilitar a aquisição de novos, já que o indivíduo, ao desbloquear-se com relação a um papel, revê suas disposições pessoais. As mudanças pessoais, consequentemente, manifestam-se no desempenho de outros papéis.