(31) 3337-7050
(31) 99955-7171
Psicoterapias
Psicoterapia
Hipocondria

Hipocondria

O que é Hipocondria?

          A Hipocondria ou Transtorno Hipocondríaco (F 45.2 – CID 10) é uma doença classificada como um tipo de transtorno de ansiedade, relacionado à percepções errôneas sobre o próprio corpo, em que o indivíduo supervaloriza qualquer sintoma ou desconforto orgânico ou até, mesmo sem nenhum sintoma, tendo a certeza que está doente.

É um transtorno em que se tem um medo excessivo e não realista de ter algum sintoma ou condição de saúde que pode ameaçar sua vida e que ainda não foi diagnosticado. Nesses quadros, a pessoa tende a ficar muito ansiosa e angustiada, mesmo se nenhuma evidência médica justifique a preocupação ou acreditar que qualquer sintoma simples pode evidenciar um problema terrível. Por exemplo: uma dor de cabeça certamente significará um tumor cerebral.

Quais são os sintomas da Hipocondria?

Uma pessoa com Hipocondria costuma apresentar os seguintes comportamentos:

  • Ter um medo intenso ou ansiedade prolongados (mais de seis meses) de ter uma doença grave
  • Preocupar-se que os menores sintomas e sensações físicas podem significar uma doença grave
  • Procurar médicos repetidamente ou fazer exames complexos com frequência, como ressonâncias magnéticas e ecocardiogramas
  • Trocar de médico constantemente, sempre buscando uma segunda opinião que confirme uma doença grave
  • Falar diversas vezes sobre seus sintomas ou das doenças de que suspeita ter
  • Checar frequentemente o corpo em busca de problemas
  • Checar frequentemente os sinais vitais, como pulsação ou pressão arterial
  • Pensar ter uma doença só de ler ou ouvir sobre ela

Pessoas com Hipocondria também tendem a aumentar sintomas quando realmente estão doentes. Mas, a principal característica está no pensamento obsessivo de que isso de fato se trata de uma doença muitíssimo grave e de que sua vida pode estar em risco.

Quais são as causas da Hipocondria?

Não se sabe ao certo porque algumas pessoas desenvolvem a Hipocondria, acredita-se que o tipo de personalidade, a experiência de vida e questões hereditárias estejam envolvidas no distúrbio.

Esta doença atinge igualmente homens e mulheres e normalmente aparece no início da vida adulta, apesar de poder se desenvolver em qualquer idade. Algumas situações podem aumentar a chance de uma pessoa desenvolver Hipocondria:

  • Histórico de uma doença séria na infância
  • Ter convivido com familiares ou conhecidos portadores de uma doença séria
  • Morte de um ente querido
  • Ter um transtorno de ansiedade
  • Acreditar que boa saúde significa estar livre de quaisquer sintomas
  • Ter familiares próximos hipocondríacos
  • Ter pais negligentes ou abusivos

Como diagnosticar a Hipocondria?

O diagnóstico nem sempre é simples, já que o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) pode ser confundido com a Hipocondria.

Na Hipocondria, temos pensamentos persistentes, dúvidas e ruminações sobre a possibilidade de ter uma doença grave, preocupações com a saúde, hipervigilância sobre eventuais sintomas físicos, verificação frequente de pulso, pressão e temperatura – muitas vezes em situações em que existem variações normais, como na prática de exercícios físicos ou em momentos de estresse. Além disso, checagens repetidas do próprio corpo – do abdômen, do pescoço em busca de linfonodos, do pulso das carótidas – e, sobretudo, repetições de exames e de avaliações médicas. O tema central das preocupações é a saúde e a possibilidade de ter uma doença grave, necessitando frequentemente obter garantias com os profissionais de que não têm nenhuma doença grave, sendo, muitas vezes, essa a única forma de se tranquilizarem.

No TOC também pode ocorrer uma preocupação com doenças, mas normalmente é com a possibilidade de ter se contaminado ou de vir a contaminar-se no futuro, seguida de evitações e lavações excessivas.

A Hipocondria pode afetar as relações sociais, familiares e de trabalho. Doenças, infecções e remédios são os assuntos que dominam a vida psíquica, social e afetiva dessa pessoa. Comumente, a pessoa é vista como exagerada e negativista e muita gente se afasta.

Os critérios de diagnóstico da Hipocondria, de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), são:

  • Preocupação por cerca de seis meses ou mais em ter uma doença série, baseada em sintomas corporais
  • Ansiedade com essa preocupação
  • Dificuldades na vida social, trabalho e na rotina diária, por conta dessa preocupação ou sintomas.

Como tratar a Hipocondria?

A Psicoterapia é a principal forma de tratamento, pois permite ao paciente reconhecer as causas de seu comportamento ansioso e aprender formas de lidar com ele. Além disso, é importante que o paciente e seus familiares conheçam mais sobre a Hipocondria, a fim de eliminar o caráter pejorativo associado a essa doença e esclarecer sobre as caraterísticas deste transtorno mental.

O Hipocondríaco tem uma doença sim, mas ela não é facilmente diagnosticada em consultas médicas de rotina ou em exames laboratoriais. Uma postura médica inadequada, mas frequente, é dizer ao paciente que ele não tem nada e, ainda acrescentar, que tudo é psicológico; que ele deve procurar um psiquiatra ou psicólogo. São frases contraditórias: o nada e o problema psicológico são tratados como a mesma coisa e o profissional de saúde desvaloriza o adoecimento mental. Os exames não acusaram nenhuma inflamação, infecção ou distúrbio orgânico, mas isso não significa que a pessoa não tem nada, ela tem uma doença psicológica que precisa ser tratada adequadamente.

Nos casos de ansiedade intensa é indicado o acompanhamento psiquiátrico com prescrição de ansiolítico e antidepressivo.

A prática de atividades físicas, atividades em grupo e trabalhos voluntários são importante, principalmente no caso de o problema afetar a vida do paciente, a ponto dele não conseguir mais trabalhar ou se relacionar socialmente.

Quando o paciente reconhece sua condição, os riscos inerentes à doença podem ser minimizados. Por outro lado, quando ele ainda não sabe do que sofre, o perigo mais comum é a automedicação com a finalidade de acabar com uma doença que ele acredita ter. Há casos em que o hipocondríaco passa por tanto sofrimento e ansiedade que ele mesmo procura tratamento psicológico. Entretanto, nem sempre a pessoa com Hipocondria consegue ter crítica suficiente para buscar o tratamento adequado. Por isso, é necessário o olhar atento dos familiares e que alguém o alerte que ele precisa de ajuda psicológic

As principais complicações da hipocondria são:

  • Riscos à saúde decorrentes de procedimentos médicos desnecessários
  • Depressão
  • Transtornos de ansiedade
  • Raiva e frustração excessivas
  • Abuso de medicamentos
  • Problemas nos relacionamentos, no trabalho ou escola e até mesmo altos gastos com procedimentos e consultas médicas.